Livro A Agonia de Jesus no Getsemani

 
 

Sinopse

No jardim do Getsêmani, afastando-Se dos discípulos e ficando apenas com Pedro e os dois filhos de Zebedeu a Seu lado foi orar. Quando Ele ficou sozinho, mais tarde, “adiantando-se um pouco, prostrou-se sobre o seu rosto, orando…” (Mt 26.39). Qual foi a Sua oração?“..Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres” (v. 39). Jesus não recebeu resposta. O Pai ficou em silêncio. Jesus voltou até onde estavam os Seus discípulos: “…E, voltando para os discípulos, achou-os dormindo; e disse a Pedro: Então, nem uma hora pudestes vós vigiar comigo? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”(vv. 40-41). Nesta hora extremamente crítica da Sua vida terrena, o Filho do homem precisou como todo ser humano precisa da simpatia dos outros, ainda que de uns poucos, pois nenhuma vida que seja verdadeiramente humana pode ser completamente independente. Quando Jesus se reúne a seus discípulos os acha dormindo, expressa dolorosa surpresa de que estes três vigorosos pescadores, que tinham passado muitas noites em claro trabalhando sozinhos no Mar da Galiléia, estejam assim tão sem forças que não possam ficar acordados com Ele sequer por uma hora [1]. Algo muito natural tinha acabado de acontecer: a carne dos discípulos não estava disposta e nem era capaz de resistir aos ataques de Satanás.

 

Não sabemos quanto tempo o Senhor orou, mas deve ter sido durante pelo menos uma hora, se nos basearmos na afirmação: “Então, nem uma hora pudestes vós vigiar comigo?”Apesar da promessa determinada de Pedro de morrer com o Senhor, ele já havia se afastado da batalha que acontecia no Getsêmani.

 

“Tornando a retirar-se, orou de novo, dizendo: Meu Pai, se não é possível passar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade” (v. 42). Novamente não houve uma resposta do Pai, apenas silêncio. Jesus deu aos discípulos outra chance: “… voltando, achou-os outra vez dormindo; porque os seus olhos estavam pesados” (v. 43). Desta vez o Senhor não os acordou nem deu outra instrução. Ao invés disso, lemos que Ele: “… Deixando-os novamente, foi orar pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras” (v. 44).

 

“E, estando em agonia, orava mais intensamente.” Ao lermos o relato no evangelho de Marcos notamos que o evento é descrito de uma forma um pouco diferente. Entretanto, Lucas revela que após Jesus ter orado, “…lhe apareceu um anjo do céu que o confortava”(Lucas 22.43). Não nos é revelado como ele O “confortava”, mas no versículo seguinte lemos que Suas orações tornaram-se ainda mais desesperadas: “E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra” (v. 44). A palavra agonia é achada somente aqui no Novo Testamento [2].

 

Quando analisamos esse fato de uma perspectiva humana, ele parece-nos ilógico, porque o versículo anterior diz que Jesus acabara de ser consolado por um anjo do céu, continuando a batalhar em oração a tal ponto que “gotas de sangue” caíram sobre a terra. Foi o consolo do anjo uma resposta à Sua oração ou esse consolo era necessário para que Ele continuasse orando? Creio que a segunda opção é a correta, como veremos ao examinarmos mais detalhadamente essa situação.

 

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 598 

Edição: 1(2015) 

Formato: A5 148x210 

Tipo de papel: Offset 75g

 

 

 

 

 

 

 

 

LINK DA EDITORA

 

 https://www.clubedeautores.com.br/book/189063--A_AGONIA_DE_JESUS_NO_GETSEMANI#.VY2XuxtViko  

Notícias

Nossa Filosofia

10-02-2014 19:29
Curso de Teologia a Distância : O Curso de Teologia do SETEAD – Seminário de Educação Teológica...

Itens: 1 - 1 de 2

1 | 2 >>

Etiquetas

A lista de etiquetas está vazia.